Natureza Humana: Culpa corrige?


Para quem cresceu – como eu – na cultura católica, o sentimento de culpa era a maior ferramenta da correção dos erros (pecados). Nós pecávamos, infringindo um (ou mais) dos dez mandamentos, ficávamos envergonhados, íamos nos confessar, o padre endossava nossa culpa com seu perdão e sua penitência… e saíamos dali aliviados para pecar novamente. Era simples assim.

Simples, certamente; mas, eficiente para construir um indivíduo ético? Nem tanto… De fato, há no sentimento de culpa uma injustiça embutida que produz uma revolta silenciosa contra ele, o que depois se manifesta como reincidência do erro.

Senão, vejamos: o mecanismo que nos produz o sentimento de culpa é o de nos ver como pessoas horríveis. Para isso é preciso ter-se na cabeça um modelo ideal de pessoa, e sua contraparte, o antimodelo. O imaculado e o imundo. O santo e o pecador.

Em termos psicanalíticos, isso supõe que nossos valores não pertençam a nós mesmos, mas a nosso Superego. Nós  abaixo dessa instância ideal e julgadora, sempre lutando para alcançá-la, sempre intuindo que ficaremos na dívida. Desse modo, nossa relação com o ideal (vale dizer, com nosso Superego) é sadomasoquista, é uma relação fodão-merda: aos olhos dele, nós seremos sempre inferiores e horríveis. É isso que ocorre no sentimento de culpa: a gente se sente um merda.

Esta é a injustiça embutida no sentimento de culpa; a sentença é excessiva, não há direito de defesa, não há apelação a outras instâncias, ela nos causa revolta e nos faz rejeitar/vingar-se o/do tribunal que nos condenou. Ela nos faz ter uma relação de veneração e ódio ao Superego: ora somos submissos a ele, ora “pecamos” de novo tendo duas motivações (o sabor do desejo proibido e o sabor de mandar o Superego/tribunal às favas).

Quando procurei a psicanálise pela primeira vez, demorei para entender que o analista kleiniano tinha como método de cura o mesmo arsenal que a igreja católica: a culpa. Só que agora eu deveria me arrepender de meus sintomas, e prometer nunca mais tê-los. Tal como o método católico de combater o pecado, é claro que não funcionava.

Mais recentemente fui informado que a psicanálise lacaniana propõe que, em vez de culpa, a pessoa se torne responsável por seus desejos e por sua conduta. Isso me pareceu certamente um avanço, mas ainda vejo problemas: sem que se questione o tribunal do Superego, sem que se rejeite seus ideais de perfeição inatingíveis, sem que se repense uma nova maneira de implementar a ética, facilmente a responsabilidade funcionará como culpa, e tudo voltará à estaca zero.

A proposta que me surgiu a partir do conhecimento do Superego, através de Freud, foi a de acabar com ele (sei que isso não é possível, mas ter isso como meta é). Não de renegá-lo, mas de olhar para os valores desejáveis que moram nele, e de se apoderar desses valores como coisa nossa. Em palavras psicanalíticas: onde esteve o Superego, que haja o Ego! Ou seja, que ponhamos o Superego e suas leis sob um olhar crítico. Que se faça uma assembleia constituinte a partir do rompimento com a ditadura do Superego, exatamente como foi feita em 1986 entre nós, com o fim da ditadura militar. Que se aproveitem como valores nossos – de nosso Ego – as leis que servirem, e que se varram as leis autoritárias para o lixo da história.

A partir daí, a culpa pode ser bem aposentada em sua função capenga de corregedora dos costumes. Ela é substituída com vantagens imensas pelo simples reconhecimento do erro. Essa prática cultiva a humildade e nos dispensa de alternar arrogância com humilhação. Eis porque venho treinando, em vez de dizer “desculpe-me” (que endossa a culpa), dizer simplesmente “erro meu”.

Uma historinha para ilustrar esse processo. Na festa de 25 anos de formados do colégio Santo Inácio, perguntei ao nosso antigo padre prefeito de disciplina:
“Padre, ouvi dizer que masturbação não manda mais o pecador para o inferno, é verdade? Então, o que aconteceu com aqueles que morreram antes da mudança da lei?”
Ele desconversou:
“Daudt, eu acho que você já bebeu muito vinho…”


Artigos: Falando de política

07/10/2018

Follow @FranciscoDaudt // Nós estamos vivendo mais um momento reativo (e a reatividade é o movimento mental mais comum da humanidade, a reflexão é o [...]


Natureza Humana: Culpa corrige?

22/07/2018

Follow @FranciscoDaudt // Para quem cresceu – como eu – na cultura católica, o sentimento de culpa era a maior ferramenta da correção dos erros [...]


Natureza Humana: Raiva de quem se ama .2 – O que fazer?

25/06/2018

Follow @FranciscoDaudt //   A principal dificuldade para o bom gerenciamento da raiva é se estar prisioneiro do vício fodão-merda (f&m). Se qualquer injustiça que nos fazem, [...]