Natureza Humana: Crenças injustas


 

Meu filho só entrou em contato com os dez mandamentos aos nove anos, quando entrou num colégio católico. Diante do que mandava honrar pai e mãe, me perguntou candidamente: “Por que não tem um mandando honrar filho e filha?”

O cliente tinha doze anos, e se masturbava alegremente desde os nove, quando seu irmão mais velho veio lhe informar que aquilo era pecado mortal, e que ele podia ir para o inferno se não se confessasse. Claro que ele não parou, mas passou a sentir uma culpa enorme por fazer aquela coisa tão boa.

Um leitor me escreveu dizendo que considerava a homossexualidade uma aberração, pois o normal era homem desejar mulher, pela sobrevivência da espécie. Respondi-lhe que a natureza não produz apenas coisas funcionais, que pelo seu raciocínio o apêndice não deveria existir – só existe para causar apendicite? – e que os 10% de canhotos que sempre houve também seriam aberrações. Escreveu-me de volta dizendo que entendia meu ponto, mas que para ele já estava muito tarde para mudar, pois tinha 75 anos.

Essas histórias mostram como podemos absorver crenças injustas – e erradas – numa época em que ainda não temos como discuti-las, nem como rejeitá-las. Meu filho teve a sorte de conhecer uma delas quando já podia fazer a pergunta óbvia que expunha sua injustiça, mas a história do leitor gay me doeu no coração: uma vida inteira se considerando aberrante!

Elas não se derivam só da religião formal, ao contrário, sua maioria vem da principal religião informal que existe: o senso comum. Ele vem derramando crenças injustas e erradas em nossos ouvidos desde que nascemos, e elas se entranham num software poderoso em nosso cérebro: o superego.

Nós nos movemos por dois motores biológicos principais: o da própria sobrevivência, e o da sobrevivência da espécie. O superego cuida da primeira, dando medos inatos que salvam nossas vidas (confinamento; altura; escuro; abandono; ameaça física; répteis e grandes insetos voadores, p.ex.).

Mas depois ele vai se emprenhando pelo ouvido de crenças erradas que parecem fundamentais para sobrevivência, não só de si, mas que envolvem o segundo motor, o sexo.

Entre as piores está a que divide a humanidade em superiores e inferiores, vencedores e fracassados (“winners e losers”, em inglês), fodões e merdas (em português claro).

Oriunda da nossa necessidade de ostentar troféus que nos tornem atraentes para o sexo oposto, ela é o motor das guerras, das brigas de torcida, da busca desesperada de proeminência social (nada de errado com proeminência social em si), da ganância, do jogo sujo, da corrupção.

Exemplo incrível: Vladimir Putin, sabedor que Angela Merkel tem medo de cães, chamou seu imenso labrador para se deitar aos pés dela, em sua visita ao Kremlin. Perguntada depois, Frau Merkel disse: “Só pessoas muito inseguras se utilizam de um expediente assim. O que não faz mais que deixar à mostra suas fragilidades”.

A chanceler ganhou o meu respeito, não apenas por seu diagnóstico preciso, como por mostrar que há meio melhor de se obter proeminência social do que o injusto winner-loser: a sabedoria.


(Em breve): A CRIAÇÃO ORIGINAL – A teoria da mente segundo Freud [parte 2]

11/04/2017

Follow @FranciscoDaudt // Lançamento (em breve): A CRIAÇÃO ORIGINAL – A teoria da mente segundo Freud Novo livro de Francisco Daudt “Este foi o primeiro [...]


Natureza Humana: Crenças injustas

29/03/2017

Follow @FranciscoDaudt //   Meu filho só entrou em contato com os dez mandamentos aos nove anos, quando entrou num colégio católico. Diante do que [...]


(Em breve): A CRIAÇÃO ORIGINAL – A teoria da mente segundo Freud

29/03/2017

Follow @FranciscoDaudt //       LANÇAMENTO (EM BREVE): A CRIAÇÃO ORIGINAL A teoria da mente segundo Freud Novo livro de Francisco Daudt “Aqui está [...]


Natureza Humana: Os destinos do obsessivo


Natureza Humana: Atração fatal


Frases Daudt: Homofobia


Daudt no Facebook: Homofobia e a síndrome do fodão-merda


Daudt no Facebook: Sobre a nossa idiotice


Natureza Humana: Força da Justiça


Natureza Humana: Corpo e Alma?


Daudt no Facebook: Petrópolis – Anos 50


Natureza Humana: Masturbação


Natureza Humana: O conceito de cura em psicanálise


Natureza Humana: O Horror


Natureza Humana: Capitalismo com ditadura?


Natureza Humana: Por que muitos homens desprezam as mulheres